Logo da Universidade do Estado de Santa Catarina

Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas

Notícia

05/11/2018-16h41

Inflação em Florianópolis medida pela Udesc volta a subir em outubro com feira mais cara

 
Atraso na safra em SP fez quase dobrar o preço do tomate Foto: Getty Images
A inflação para os consumidores de Florianópolis voltou a subir em outubro (0,46%) depois de ter se mantido praticamente estável no mês anterior (-0,03%). A alta foi sentida pelos consumidores principalmente na hora de comprar frutas e legumes na feirinha ou no supermercado. O preço do tomate, por exemplo, quase dobrou, com aumento de 91,02%.

Desde o início de 2018, a alta acumulada dos preços locais é de 4,17%. Nos últimos 12 meses, o índice chega a 5,34%.

Os números são do Índice de Custo de Vida (ICV/Udesc Esag), calculado mensalmente pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), por meio do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag). O índice leva em conta o consumo de famílias de Florianópolis com renda de 1 a 20 salários mínimos, comparando 319 itens. Os dados foram coletados entre 1º e 31 de outubro.

Alimentos

De acordo com o coordenador do cálculo do ICV/Udesc Esag, Hercílio Fernandes Neto, problemas na produção de tomates em São Paulo, estado que vende o produto para boa parte do país, levaram à escassez e consequente alta de mais de 90% no preço. Em razão de condições meteorológicas, os tomates amadureceram mais tarde e a colheita atrasou, desabastecendo o comércio.

Mas outros itens da feira também tiveram alta significativa, como cenoura (41,83%), cebola de cabeça (27,69%), pimentão (22,30%), couve-flor (20,97%) e laranja-lima (20,25%). No conjunto, os alimentos in natura foram o grupo com maior alta (6,65%).

Em compensação os demais grupos de alimentos tiveram ligeira queda nos preços, como os industrializados (-0,13%) e os consumidos fora de casa (-0,10%). Os alimentos de elaboração primária também ficaram mais baratos (-0,55%), incluindo o leite (-4,37%) e o arroz (-6,30%).

Bens e serviços

Mas houve alta também entre os produtos não alimentares (0,59%), mesmo com queda no preço dos combustíveis (-0,95%). Nesse grupo, o maior aumento foi o dos produtos de educação, cultura e lazer (6,47%).

Os serviços públicos e de utilidade pública tiveram uma ligeira alta (0,11%), puxados pelas tarifas de telefonia (2,72%). Já os preços dos serviços privados caíram em média (-0,25%).

Mais informações podem ser obtidas em udesc.br/esag/custodevida, onde é possível consultar o boletim mensal e a série histórica do ICV/Udesc Esag desde junho de 1994.

Assessoria de Comunicação da Udesc Esag
Jornalista Carlito Costa
E-mail: comunicacao.esag@udesc.br
Telefone: (48) 3664-8281
galeria de downloads
galeria de imagens
notícias relacionadas
 
ENDEREÇO
Av. Madre Benvenuta, 2037
Itacorubí, Florianópolis / SC
CEP: 88.035-001
CONTATO
Telefone: (48) 3664-8254
E-mail: dg.esag@udesc.br
Horário de atendimento:  13h às 19h
          ©2016-UDESC